Como Usar Pontos de Pivô no Day Trading

Os pontos de pivô são um indicador técnico mais frequentemente usados por day traders. São constituídos por linhas de suporte e resistência desenhadas no gráfico de preços a partir dos dados do período anterior.

Por exemplo, no gráfico intradiário de cinco minutos são utilizados os valores mínimo, máximo e de fecho da sessão do dia anterior para o cálculo dos pontos de pivô P, R1, R2, R3 e S1, S2 e S3 e assim por diante. Estes pontos formam as áreas de suporte e resistência que podem ser usadas para apoio na entrada ou saída de uma posição em conjunto com a leitura dos níveis de suporte e resistência regulares a partir do price action.

Não precisa de estar preocupado em fazer o cálculo destes pontos, pois a generalidade dos softwares de trading já têm este indicador incorporado.

Na figura seguinte encontra-se um exemplo de como pode ser usada esta ferramenta de day trading na plataforma Tradingview. no gráfico diário de cinco minutos da INTC.

Como Usar o Trailing Stop no Day Trading

O trailing stop é um tipo de ordem stop-loss que combina elementos da gestão do risco com a gestão da posição. O seu objetivo é proteger os lucros ou garantir o break even de uma posição. Pode ser implementado manualmente ou automaticamente através de uma ordem na corretora.

Garantir o break even

Começando pelo exemplo de garantir o break even numa posição que tem aberta, e que está andar na posição pretendida com lucro.

Imagine que tem um rácio risco:recompensa de 1:2,5 para as suas posições. Logo que o preço atinge 1,5x o risco dá uma ordem stop automática para vender ou comprar o título ao preço comprou ou vendeu consoante trate-se de uma posição longa ou curta respetivamente. Deverá descontar o valor da comissão se quer refletir os custos da operação (comissões, etc,).

Isto significa que se o preço reverter para a sua entrada fechará a posição com um resultado nulo, tendo protegido a mesma.

Garantir o lucro

Imagine agora que o preço atinge o seu objetivo de 2,5x o risco. Percebe-se que o mercado pode continuar na direção pretendida e obter um maior lucro do que o esperado inicialmente.

Neste caso, em vez de fechar a posição em 2,5x o risco, dá uma ordem stop automática para vender ou comprar o título com o preço de 1,5x o risco, garantido que pelo menos realiza este lucro.

Suponha agora que o preço continua a seguir na direção pretendida atingindo 3,5x o risco. Sobe a ordem stop para 2,5x o risco, estando desta forma este lucro.

Poderá continuar este processo com o trailing stop até ser parado e sair da sua posição.

O trailing stop permite otimizar a sua posição após a entrada na mesma, de forma a conseguir obter maiores lucros de uma negociação, ou quanto muito terminar com um resultado zero em break even.

Tipos de Mercado em Função da Volatilidade e da Tendência

Neste artigo é apresentada uma proposta de tipologia para os mercados considerando as combinações da volatilidade (elevada e normal) e da tendência (touro, urso e canal) do título.

O título exemplificado é a INTC. Considera-se um mercado volátil quando a variação diária do preço (diferença entre o máximo e mínimo) é superior a 2,5%. Se esta variação for igual ou inferior a 2,5% é considerado um mercado normal.

Conhecer o tipo de mercado é vital para a aplicação da estratégia a aplicar. A estratégia inclui entre outros a gestão do dinheiro com a definição do tamanho da posição, entrada e saída e o tipo de padrões gráficos de negociação a usar.

Touro normal

Mercado touro normal

Touro volátil

Mercado touro volátil

Urso normal

Mercado urso normal

Urso volátil

Mercado Urso Volátil

Canal normal

Mercado canal normal

Canal volátil

Mercado canal volátil

Retrações e extensões de Fibonacci

As retrações e extensões de Fibonacci são muito utilizadas pelos traders, pois os preços tendem a reverter e a alcançar determinados níveis.

Estes níveis são mais eficazes se usados em conjunto com os níveis de suporte e resistência. No entanto na ausência de suporte ou resistência podem ser usados sozinhos.

Na figura seguinte é apresentado um exemplo das retrações e extensões de Fibonacci para um mercado volátil touro no gráfico intradiário de cinco minutos da INTC.

Retarções Extensões de Fibonacci para um Mercado Touro

Na figura seguinte é apresentado um exemplo das retrações e extensões de Fibonacci para um mercado volátil urso no gráfico intradiário de cinco minutos da INTC.

Retarções Extensões de Fibonacci para um Mercado Urso

Os diferentes tipos de traders em função do prazo de investimento

Existem vários tipos de traders de acordo com a sua abordagem aos mercados, e consoante são mais ou menos ativos, tanto a nível de acompanhamentos dos mercados como do número de negociações.

Existem várias terminologias conhecidas para os tipos de traders, sendo que neste artigo descrevo os quatro tipos mais comuns: scalp traders, day traders, swing traders e position traders.

Scalping traders

Os scalping traders negoceiam intra diariamente fazendo dezenas ou centenas de negociações num dia e retirando pequenos lucros. Uma posição aberta pode durar de segundos a minutos. Grande parte dos scalpers usam a alavancagem para aumentar a sua exposição a pequenos movimentos de preços.

Day traders

Os day traders também negociam intra diariamente comparando e vendendo títulos no mesmo dia. A diferença entre os scalpers e os day traders é que estes últimos mantêm as posições abertas desde minutos a horas para apanhar maiores movimentos de preços. Um day trader faz tipicamente entre uma a cinco negociações num dia e também pode usar a alavancagem para exponenciar os seus resultados.

Swing traders

Os swing traders tentam capturar grandes movimentos de preço, mantendo um título de vários dias a semanas. O potencial de retorno não é tão grande como nos casos anteriores e podem fazer entre uma a cinco negociações por semana. Se recorrerem à alavancagem, esta é habitualmente mais baixa que nos casos anteriores.

Position traders

Os position traders tentam capturar movimentos de preço a longo prazo, podendo manter uma posição de meses a mesmo anos. Este tipo de traders não está preocupado com o movimento intra diário de preços, investindo individualmente nos títulos que pensam que possam valorizar com o tempo. Pode fazer entre 1 a 10 negociações por ano.

Como Usar um Stop Loss Estratégico em Average Down

Uma vez que uso o average down no day trading, reduzindo o valor de uma posição com várias entradas, ao usar um stop loss nominal com um risco pré-determinado existe uma boa probabilidade de fechar muitas posições prematuramente em prejuízo, que no final podem totalizar uma grande soma.

Por outro lado, se o dia estiver particularmente touro ou urso, e em vez de fechar a posição com um stop loss nominal, aguardar que o mercado esteja mais favorável para sair, isto pode não acontecer resultando num grande prejuízo que pode neutralizar ou mesmo ultrapassar todos os ganhos até então.

Importa encontrar um ponto de equilíbrio, reduzindo o risco nos dias de predominante subida ou descida. Isto é conseguido através de um stop loss estratégico utilizado a partir das 11:30 EST, (opening range do mercado de ações americano). Para tal existem dois momentos cruciais para o fecho da posição: (1) na primeira grande retração a partir das 11:30 EST e (2) no final da sessão ou na abertura do dia seguinte.

De referir que trata-se de uma estratégia avançada com um grande risco, e que deve ser plenamente dominada e testada antes de ser utilizada. Uma vez que não existe um valor nominal atribuído ao risco, requer uma forte intuição e experiência do trader.

1.ª Opção: Fechar a posição na primeira grande retração a partir das 11:30 EST

Se tiver uma posição aberta com duas ou três entradas em average down, o primeiro momento de saída em stop loss deve ser tentado na primeira grande retração a partir das 11:30 EST. Muitos traders que entraram até a esta hora e estão a acompanhar a tendência intra diária, querem realizar lucros e começam a fechar as suas posições. Isto causa uma boa retração que pode ser aproveitada para fechar a posição num local lógico, junto a um nível de suporte/resistência e/ou retração de Fibonacci.

2.ª Opção: Fechar a posição no final da sessão ou na abertura do dia seguinte

O segundo momento de saída em stop loss é no final do dia ou abertura da sessão no dia seguinte. Se fechar a posição na primeira grande retração produz uma média a grande perda, e existe suporte ou resistência significativo que indique uma boa possibilidade do preço inverter no final do dia ou na abertura da sessão seguinte, então pode optar-se por este stop loss estratégico. Fecha-se a posição no final da sessão se conseguir realizar lucro, caso contrário fecha-se na abertura da sessão seguinte durante os primeiros 15 minutos.

Conclusão

Existem muitos traders que não aconselham a negociação em average down, ao perseguir um título cujo preço está a ir contra nós. Segundo estes o risco deve estar sempre pré-determinado antes de se iniciar uma nova posição. Por outro lado, o uso do average down com um stop loss estratégico permite gerir por vezes uma posição que estava perdida a partida, e conseguir o breakeven ou mesmo um lucro interessante. Como em qualquer estratégia, deve ser feito testada primeiro em backtesting e numa conta de simulação.

Como fazer backtesting para testar uma estratégia

O backesting é uma técnica avançada de trading, consistindo no teste duma estratégia em dados históricos de um título. Pretende-se deste modo estudar e melhorar a viabilidade de uma determinada estratégia.

Neste artigo, a título de exemplo, vou fazer o backtesting de uma estratégia de day trading contra tendência (reversão) de cinco dias de negociação, recorrendo ao average down.

A estratégia empregue utiliza por ordem de importância as ferramentas:

Dia 1

O preço avançou em direção de queda logo após a abertura, tendo entrado em posição longa na primeira vela de cinco minutos junto ao suporte diário 59.40. O preço continuou a descer e entrei em average down numa posição longa junto à resistência da MA 200, na primeira vela a fazer um alto superior a 58.50. Fechei mais tarde, já perto do final da sessão a posição na retração de Fibo 0.618 a 59.30 com ganho.

A melhorar: podia ter aguardado a saída mais próxima da resistência diária 59.40. Entre os 1) níveis de suporte e resistência e as 2) retrações de Fibonacci geralmente prevalecem os primeiros.

backtesting-intc-27-abr

Dia 2

O preço avançou em direção de queda, tendo iniciado posição longa na segunda vela de cinco minutos junto ao suporte de pré-abertura 59.39. O título continuou em queda tendo reforçado a posição longa em average down na primeira vela a fazer um alto superior junto à MA 200 a 58.70. Mais tarde fechei a posição em lucro junto ao suporte de pré-abertura feito resistência a 59.39.

A melhorar: a segunda entrada estava já perto do suporte diário 58.38, pelo que deveria ter aguardado este nível para a entrada. Entre os 1) níveis de suporte e resistência diários ou intradiários e as 2) média móvel de 200 dias geralmente prevalecem os primeiros.

backtesting-intc-28-abr

Dia 3

O título abre forte em subida e iniciei posição curta em resistência diária 60.20. O preço continuou a subir e reforcei a posição curta na primeira vela a fazer um baixo inferior junto à resistência diária 62.13. O modo conservativo de fechar a posição é no próprio dia a seguir à retração Fibo 0.786 na primeira vela a fazer um alto superior a 61.40, resultando numa pequena perda. O modo agressivo de fechar a posição, e também mais arriscado, é permanecer com a posição aberta durante a noite. Neste último caso caso terminaria com um bom lucro visto que o título desceu no dia seguinte, mas poderia perfeitamente ter acontecido o contrário, com o aumento do prejuízo face a fechar a posição no dia anterior.

A melhorar: nada a observar.

backtesting-intc-29-abr

Dia 4

A sessão abriu em forte queda iniciando posição longa na primeira vela a fazer um alto superior junto ao suporte MA 200 a 60.20. Mais tarde reforcei a posição longa no suporte de número redondo 60.00. A posição foi encerrada com ganho no final da sessão a 60.40 junto á resistência intradiária e MA 200.

A melhorar: nada a observar.

backtesting-intc-30-abr

Dia 5

O título iniciou a sessão a subir fechando parcialmente o gap entre as duas sessões. Iniciei posição curta na primeira vela de cinco minutos junto à resistência diária 59.31 e encerrei a posição com um bom ganho depois do suporte diário 58.26, e após uma vela fazer um alto superior a 57.80.

A melhorar: nada a observar.

backtesting-intc-01-mai

Como determinar a entrada exata com as velas japonesas

As zonas de suporte e resistência nos gráficos de velas determinam a entrada ou não numa nova posição num padrão de reversão, e são um dos fatores mais importantes do price action. Importa pensar no suporte e resistência como zonas ou áreas, e não como um valor exato. Para determinar o momento certo  para a entrada numa posição recorremos às velas japonesas.

O suporte e resistência funcionam a nível macro como a decisão de entrada ou não numa posição, e as velas japonesas funcionam a nível micro determinando o preço de entrada.

De seguida é dividido o momento de entrada num padrão de reversão dentro e fora do opening range: O opening range é definido aqui como a primeira vela de cinco minutos. Os gráficos apresentados são referentes à ação da Intel (INTC).

Entrada fora do opening range

A entrada fora do opening range para o padrão de reversão pode ter como sinal uma vela regular ou uma vela longa.

Vela de sinal regular

No gráfico seguinte é apresentado o sinal de reversão para uma vela de sinal regular na transição de um mercado urso para um mercado touro.

  1. Existe um avanço na direção urso até ao preço chegar à zona de suporte da média móvel 200 dias, que que decidimos entrar numa posição longa.
  2. De seguida localiza-se o preço de entrada, que é a primeira vela a fazer um alto superior a seguir à vela de sinal regular.

De notar que antes da vela de sinal regular, encontra-se uma vela longa que não produziu uma entrada como vamos ver num caso específico mais à frente.

reversao-touro-vela-sinal-regular

O gráfico seguinte apresenta o sinal de reversão para uma vela regular na transição de um mercado touro para um mercado urso, e aplica-se o inverso.

reversao-urso-vela-sinal-regular

Vela de sinal longa

No gráfico seguinte é apresentado o sinal de reversão para uma vela de sinal longa na transição de um mercado urso para um mercado touro.

  1. Existe um avanço na direção urso até ao preço chegar à zona de suporte com anteriormente, neste caso um suporte diário anterior, em que que decidimos entrar numa posição longa.
  2. De seguida localiza-se o preço de entrada, que é a primeira vela a fazer um baixo inferior a 50% da vela de sinal longa anterior.

De notar, que ao contrário da vela de sinal regular vista anteriormente, não aguardamos o alto superior de uma vela longa, pois caso contrário, entraríamos já bastante tarde perdendo grande parte do movimento de preços.

reversao-touro-vela-sinal-longa

O gráfico seguinte apresenta o sinal de reversão para uma vela longa na transição de um mercado touro para um mercado urso, e aplica-se o inverso.

reversao-urso-vela-sinal-longa

Vela de sinal com retração

Algumas vezes existe um sinal de entrada que é fora do preço pretendido para providenciar um bom rácio risco/recompensa (r:r). Nestes casos existe a possibilidade de ser realizada uma melhor entrada com a retração do preço antes do mesmo continuar na direção pretendida, com uma segunda vela de sinal. Outras vezes não existe a possibilidade de retração com uma segunda vela de sinal, mas mais vale não entrar numa posição com um r:r mau do que entrar numa posição com fracas potencialidades à partida, e portanto com maior risco.

Sinal de entrada com retração

Sem vela de sinal

Outra possibilidade é quando vemos que o preço atinge os níveis desejados, entrar sem confirmação das velas japonesas. Este método pode ser mais arriscado, sendo destinado a traders mais avançados que conheçam bem os seus títulos. É idêntico ao caso que irei falar de seguida, com a entrada dentro do opening range.

Entrada dentro do opening range

A entrada dentro do opening range nos primeiros cinco minutos da sessão para o padrão de reversão, tem como sinal apenas a vela longa. Uma vela regular não consegue produzir um sinal de entrada num padrão de reversão, pois para haver uma reversão, é necessário haver primeiro um movimento significativo de preços numa direção. Esta entrada é mais arriscada que a anterior fora do opening range,

Vela de sinal longa

No gráfico seguinte é apresentado o sinal de reversão para uma vela de sinal longa na transição de um mercado touro para um mercado urso.

  1. Existe um avanço na direção touro até ao preço chegar à zona de resistência diária, em que que se decide entrar numa posição curta.
  2. De seguida é localizada a entrada, que é logo que o preço chegue junto à resistência durante a primeira vela de cinco minutos. O preço poderá não atingir ou ultrapassar a resistência, sendo mais uma questão de arte do que ciência a entrada nos primeiros cinco minutos do opening range.

reversao-urso-opening-range

O gráfico seguinte apresenta a reversão para uma vela longa na transição de um mercado touro para um mercado urso, e aplica-se o inverso.

reversao-touro-opening-range

A saída de uma posição numa negociação dentro do opening range, será abordada noutro artigo, e requer especial atenção quando comparada com a negociação fora do opening range, porque pode ser necessária uma ação mais rápida. Por exemplo, no primeiro gráfico, se tivéssemos saído no final do dia teríamos obtido um excelente lucro, enquanto no segundo gráfico, senão tivéssemos saído logo na primeira retração, incorreríamos em prejuízo ao fechar a posição até ao final do dia.

Conclusão

O suporte e resistência nos gráficos de velas são a ferramenta mais importante do price action, sendo a base de decisão se entramos ou não numa posição de reversão. Os níveis de suporte e resistência funcionam como uma zona ou área, pelo que para determinar o momento exato da entrada recorre-se aos padrões formados pelas velas japonesas. A entrada dentro e fora do opening range, considerado aqui como a primeira vela de cinco minutos, requer táticas e observações diferentes.

Os Desafios do Trading com Padrões de Reversão em Average Down

Esta semana, finalmente, retomei a negociação nos mercados financeiros em paper trading. Foi difícil regressar à conta de simulação depois de semanas numa conta real, mas os resultados assim o ditavam. As últimas três semanas tinha sido de perdas, embora não avultadas, pelo facto de a conta ser pequena, mas que exigia uma reconexão com uma estratégia o mais simples possível.

Dentro dos vários tipos de padrões gráficos da análise técnica estou a testar a reversão com a utilização do average down, utilizando até três blocos de ações. O uso de um ou dois blocos, em termos gerais, produz lucros ou quanto muito termina em break even ou com uma perda reduzida, pelo que é considerada de baixo risco dentro da estratégia empregue.

O uso de três blocos de ações, portanto com o número máximo de blocos, já tem um maior risco, e pode resultar em lucros, break even, ou na pior das hipóteses uma perda significativa se comparada com um risco considerado normal.

Para a estratégia de reversão em average down ter uma expectância positiva, a percentagem de negociações com três blocos que incorrem em perdas tem de ser baixa. É também de vital importância, e no caso de não ser possível impedir as perdas com três blocos de ações, de se fazer uma soberba gestão do dinheiro, para diminuir ao máximo possível as perdas incorridas. Esta gestão do dinheiro deve estar sempre apoiada no price action.

Nas próximas semanas, e possivelmente meses, vou estar dedicado exclusivamente ao trading com padrões de reversão, otimizando as entradas e saídas, e muito importante comparar os dias de perdas com e sem o uso de average down.

Como negociar padrões de reversão

sete-fatores-padrao-reversao-mapa-mental

Na meu caminho de aprendizagem pelo mundo do day trading, notei a necessidade da especialização, reduzindo ao essencial as técnicas e métodos de investimento nos mercados.

O essencial, significa entre outros fatores, negociar só um tipo de padrão gráfico, dentro dos três tipos disponíveis: momento, reversão e canal.

O padrão que tenho tido mais sucesso, e que quero continuar a desenvolver exclusivamente, é o padrão de reversão ou de contra tendência. Pessoalmente também é o padrão que mais gosto de negociar, porque tenho uma tendência de ir contra o sentimento geral, e de pensar de forma diferente.

Os padrões de contra tendência acarretam maiores riscos, mas também as maiores recompensas quando se consegue prever o momento exato de entrada na reversão.

O padrão de reversão partilha algumas similaridades com o padrão de canal. No entanto pode-se diferenciar da seguinte forma: para ser considerado um padrão de reversão o preço do título deve estar no mínimo ou máximo intra diário (inclui o pré-mercado que vamos ver mais à frente).

Um sinal de entrada numa reversão é emitido quando existe confirmação de cinco fatores do price action, mais outros dois fatores com a adequada gestão do risco e gestão do dinheiro.

1. Preço baixo ou alto intra diário

Como já referido, para um padrão se qualificar como de reversão, o preço deve estar no valor máximo ou mínimo intra diário, que inclui os preços de pré-mercado. Este é o primeiro fator para o sinal de entrada num padrão de reversão.

Sem o preço avançar numa direção e formar um novo mínimo ou máximo, não é possível ter uma potencial reversão.

2. Suporte e resistência

Quando se negoceia em padrões de reversão, conhecer os níveis de suporte e resistência, é o segundo fator, e o mais importante, de acordo com a teoria do price action. Os preços tendem a continuar ou a rejeitar certos níveis. O segredo está em identificar os melhores níveis de rejeição, ou seja, com a maior probabilidade do preço reverter de direção..

Existem quatro níveis de suporte e resistência: pré-mercado, diário, números e intra diário.

Pré-mercado

Especialmente em dias de maior volume, antes e depois do horário regular de uma sessão, é possível observar atividade nos gráficos de preços. Esta atividade forma uma oscilação com um preço baixo e alto intra diário, que corresponde ao suporte e resistência de pré-mercado.

Diário

Todos os dias durante a sessão, um titulo forma um preço baixo e alto, que corresponde ao suporte e resistência diário. Estes níveis de suporte e resistência são os mais importantes de todos, e em que traders que investem tanto a longo como a curto prazo estão atentos.

Números

Números inteiros e metades, como $53.00 ou $54.50 formam suporte e resistência. Números redondos como $50.00 e $55.00 são especialmente fortes.

Intra diário

Durante uma sessão o título vai fazendo novos preços baixos e altos, correspondendo ao suporte e resistência intra diário.

3. Tendência e canal

Depois dos níveis de suporte e resistência, estão as linhas de tendência e de canal como o terceiro fator na negociação em padrões de reversão.

Estas linhas só conseguem ser observadas a partir dos primeiro vinte minutos da abertura, correspondendo a quatro velas de cinco minutos.

Tendência

A tendência pode ser descendente ou ascendente, e é desenhada por uma linha que toca em dois ou mais pontos numa direção. O sinal da reversão acontece quando 1) o preço tem um maior afastamento relativo da linha de tendência, 2) o preço rompe a linha de tendência ou 3) o preço faz um teste a linha de tendência depois de a romper.

Cada um destes pontos de entrada apresenta vantagens e desvantagens, e a escolha depende das condições de mercado particular em cada momento.

Canal

Os canais são formados por duas linhas paralelas, e são uma espécie de suporte e resistência. Podem ser descendentes, ascendentes ou horizontais. O sinal de reversão acontece quando o preço alto ou baixo intra diário (que inclui o pré-mercado) se aproxima ou cruza as linhas de suporte ou resistência do canal.

4. Padrões gráficos

O quarto fator mais importante na negociação da reversão são os padrões gráficos de reversão. Entre estes encontram-se o simples, duplo, parabólico, clímax, fundo ou topo arredondado.

Simples

Este padrão é o como o nome diz, simples, em que o preço limita-se a avançar numa direção com o sinal de reversão a confirmar-se com os restantes fatores.

Duplo

O sinal de reversão neste padrão é observado quando existem dois pontos separados no gráfico que testam o mesmo preço, ou aproximado.

Parabólico

A diferença entre o padrão simples e parabólico, é que neste último, o avanço é mais rápido e prolongado, observado por várias velas consecutivas da mesma cor com pouca ou nenhuma sobreposição. O sinal de reversão também acontece com a confirmação de outros fatores.

Clímax

O clímax é do mesmo tipo do movimento parabólico, mas muito mais dramático, observado por um movimento repentino e forte numa direção até haver uma exaustão do preço com uma forte reversão.

Fundo ou topo arredondado

O fundo ou topo arredondado é formado por várias velas consecutivos que depois de um avanço, formam lentamente um arredondamento antes de reverter na direção contrária.

5. Velas japonesas

O quinto fator de influência nos padrões de reversão é o sinal das velas japonesas.

Todos os restantes fatores têm de ser utilizados em conjunto para produzir um sinal válido de entrada. Primeiro é verificado um novo mínimo ou máximo intra diário, de seguida são observados os níveis de suporte e resistência, depois são desenhadas as linhas de tendência e/ou canal, de seguida é observado um padrão gráfico, e por último são encontrados os padrões específicos das velas japonesas.

Só é possível observar um padrão produzido pelas velas japonesas a partir dos primeiros cinco minutos da abertura da sesão, correspondento à primeira vela de cinco minutos.

Entre os padrões de vela touro encontram-se o engulfing, hammer, harami, piercing, doji e kicker.

Entre os padrões de vela urso encontram-se o engulfing, shooting star, harami, dark cloud cover, doji e kicker.

Os cinco fatores que produzem a entrada numa posição não ficam completos sem a análise da gestão do risco e do dinheiro.

6. Gestão do risco

A gestão do risco assume que os mercados são incertos e de que não é possível ganhar em todas as negociações. Aliás, é expectável haverem perdas. O objetivo da gestão do risco no trading é limitar as perdas e potenciar os ganhos, ou seja, cortar as posições perdedoras cedo e deixar correr as posições vencedoras.

Deverá ser estabelecido um limite máximo de perda por negociação e diária, em função dos objetivos de rentabilidade pretendidos. Por exemplo, para negociar em day trading nas ações da Intel (INTC), determina-se a perda por posição de 0,30% e a perda diária de 0,90% em relação ao tamanho da conta. Isto significa que se negociarmos três posições com 0,30% de prejuízo cada uma, encerra-se o dia na bolsa.

O objetivo de rentabilidade diário de 0,90% é o mesmo que o limite da perda diária, com a finalidade de nunca se perder mais num dia do que o objetivo diário, e de modo à recuperação ser mais rápida no caso de perdas. Para cada negociação num padrão de reversão deve-se almejar 0,30% de risco para 0,90% de lucro, equivalendo a um rácio risco/recompensa de 1 para 3.

Um dia de três negociações tem várias possibilidades:

0,90% + 0,90% – 0,30 = 1,50 (taxa de sucesso de 0,67 %)

0,90 – 0,30 – 0,30 = 0,30 (taxa de sucesso de 0,33%l

– 0,30 – 0,30 – 0,30 = -0,90 (taxa de sucesso de 0%)

7. Gestão do dinheiro

Depois da análise da gestão do risco, a gestão do dinheiro permite determinar os preços de stop loss e target em função da entrada em cada posição, bem como o tamanho da posição.

Stop loss

O preço de stop loss deve estar uma distância da entrada, que permita caso o preço não vá a nosso favor, tenhamos um prejuízo pré-determinado de apenas 0,30% do tamanho da conta.

Deve ser colocado num local lógico determinado pelo price action, num preço abaixo ou acima da vela de reversão. Eu gosto de colocar 5 ou 10 cêntimos abaixo ou acima da vela de reversão.

Depois do preço atingir o rácio risco/recompensa de 1:2, movo o stop loss para o break even.

Target

O preço do target é de três vezes o risco, de 0,90%, e à semelhança do stop loss deve ser colocado num local lógico determinado pelo price action. Eu gosto de utilizar um nível de resistência ou suporte e/ou um nível na retração de Fibonacci.

Tamanho da posição

O tamanho da posição pode ser igual ou não ao tamanho da conta, e varia em função da volatilidade média diária do título. Por exemplo, num mercado com uma volatilidade normal o tamanho da minha posição é igual ao tamanho da minha conta, a 100%. Num mercado volátil posso reduzir o tamanho da posição para 30 ou 50% do tamanho da conta. Num mercado pouco volátil posso aumentar o tamanho da posição para 150 ou 200%. Neste último caso investo com margem.

Se por exemplo, a minha conta permitir negociar 50 ações da Intel, e para simplificar, divido a conta por blocos de ações em função da volatilidade, o que facilita as contas.

Título com volatilidade normal: Tamanho da posição a 100% com 50 ações.
Titulo com volatilidade elevada: Tamanho da posição de 30 ou 50% com 15 ou 25 ações.
Título com volatilidade baixa: Tamanho da posição de 150 ou 200% com 75 ou 100 ações.

Conclusão

O trading é uma atividade que requer muita prática e persistência. Se o investidor quiser ter algumas hipóteses de sucesso nos mercados financeiros no início da sua carreira, deve especializar-se num tipo de padrão: momento, reversão ou canal.

Neste artigo foi desenvolvida a estratégia para os padrões de reversão baseada num sinal de cinco factores do price action mais o complemento da gestão do risco e gestão do dinheiro:

  1. Preço baixo ou alto intra diário
  2. Suporte e resistência.
  3. Tendência e canal.
  4. Padrões gráficos.
  5. Velas japonesas.
  6. Gestão do risco.
  7. Gestão do dinheiro.