O Trader e as Redes Sociais

A minha presença online pretende ser discreta se é que isso possa ser dito de qualquer plataforma que está acessível ao público.

No entanto, também não quero ser invisível. O blog e mais recentemente as redes sociais funcionam como uma espécie de responsabilização de resultados de trading que está acessível a qualquer um.

Atrevo-me a dizer que as redes sociais deram o impulso de que necessitava e elevaram o jogo da bolsa para outro nível. Quantifico aqui o nível em €€€ e não em seguidores.

O telegram com os trades em tempo real e o X com o PNL diário complementam o blog. No seu conjunto atuam como um diário de trading discricionário à semelhança da estratégia de price action que emprego nos mercados financeiros.

5%

Até há uma semana atrás, entusiasmado com os números, subia semanalmente o valor do risco sem estar preocupado com o tamanho da conta.

O resultado foi devolver ao mercado tudo o que tinha ganho desde o inicio do ano. Felizmente preservei o capital inicial de 3.000€.

A minha lógica, foi que por usar uma corretora com uma alavancagem elevada (1:200) e uma conta pequena, podia ser extremamente agressivo no risco, usando praticamente toda a margem disponível.

Na ultima semana, em vez de um valor nominal para o risco, usei uma percentagem da conta (5%), para no caso de alguma sessão não correr bem, tentar evitar o que aconteceu anteriormente, e evaporar 100% ou mais do P&L realizado.

Na próxima semana vou continuar com o critério dos 5% para o risco, um valor elevado nos parâmetros tradicionais que anda na casa dos 1 a 2 %, mas ainda assim abaixo do limite máximo que a margem permite.

Psicologia no Trading: Começa o Verdadeiro Trabalho

Depois de quatro anos a desenvolver uma abordagem de análise técnica no qual sentisse alguma confiança (a primeira peça do puzzle), chegou o momento de dedicar tempo às outras duas peças do puzzle: gestão do risco e psicologia.

Em conjunto, estas três peças completam e formam uma estratégia de price action.

Iniciei os trabalhos de gestão do risco (e dinheiro) no início do ano. Falta agora mergulhar na psicologia do trading.

Para ser exato, tive um primeiro contacto com o aspeto mental do trading através do trabalho de Mark Douglas e Timothy Gallwey mas apenas como uma introdução ao tema.

Começa agora o verdadeiro trabalho da psicologia conhecendo a minha mente e de como pode afetar a performance na bolsa.

Afiar o Machado

Depois de uma semana negra em que perdi tudo o que tinha ganho desde o início do ano, é tempo de recompor as energias e “afiar o machado” para mais uma semana de trading.

O maior risco numa estratégia de scale in é ficar encurralado com trades em dias de tendência especialmente forte com pequenas correções, pelo que se consideram as seguintes linhas de orientação para a nova semana:

  • Entrar apenas em setups de trade e não em qualquer local apenas para fazer preço médio.
  • Reduzir o número de setups de trade aumentando o tempo gráfico de 2 minutos para 5 minutos.
  • Não deverão existir dois trades no mesmo nível a um preço aproximado, por exemplo dois trades distanciados de 10 ou 20 pontos no índice Nasdaq.
  • Não ultrapassar quatro trades por posição.
  • Se sentir que fiquei encurralado nalgum trade com um setup na direção contrária, encerrar a posição e abrir um hedge na nova direção.

Quanto ao valor do risco, vou trabalhar esta semana com 3 lots, o que equivale a cerca de 140€/50pts em cada trade.

Plano de Day Trade (versão PDT 02.24)

O plano de day trade PDT 02.24 é baseado em setups de contra-tendência no índice Nasdaq. O objetivo é capturar 50 pontos ou mais se a sessão o permitir.

Todas as operações são colocadas a partir do gráfico de 5 minutos porque é o tempo gráfico em que tenho mais experiência, mas também poderia usar outro tempo gráfico.

O primeiro trade é executado normalmente nos primeiros minutos da sessão porque em 50% dos casos existe uma tentativa de reversão na abertura. Se o mercado for contra mim, mas a premissa inicial se mantiver intacta, executo um segundo trade na direção do primeiro trade fazendo scale in. Posso aumentar a posição até quatro trades.

Em dias de tendência especialmente forte, e se estiver do lado errado do mercado, posso ficar encurralado com dois trades no mercado. Nesta situação, abro um hedge na direção contrária com posição igual à soma dos dois trades iniciais (por exemplo, se cada um dos dois trades iniciais for de um lot, o hedge será de dois lots).

A partir daqui, é preciso gerir e fechar todos os trades, incluindo o hedge, ao melhor preço possível. O objetivo do hedge é reduzir as perdas, colocar em breakeven e nalguns casos até realizar lucro de uma posição que estaria perdida logo à partida.

Por fim, uso um stop loss limite no caso da minha análise e/ou execução correr mal esperando apenas executar o mesmo ocasionalmente.

A Necessidade de Ajustar o Risco

Depois de três semanas consecutivas a aumentar o valor do risco, tive uma perda avultada.

O meu sistema de trade tem uma elevada probabilidade de acerto, o que significa um maior risco. Portanto, já estava a aguardar por uma maior perda quando esta ocorresse.

O problema reside no facto de estar a trabalhar com um risco maior que o planeado. É a ganância a que todos os traders estão sujeitos e faz parte do processo.

Não podemos fugir às emoções, mas podemos as controlar. Importa encontrar um equilíbrio, algures entre a ganância e o medo.

Controlar a ganância para não usar um risco excessivo, mas também controlar o medo para não perder as oportunidades de negociação.

Aumentei o Risco (III)

É a segunda semana consecutiva que aumento o valor do risco, passando de 350€/50pts para 450€/50pts no índice Nasdaq.

Estou com um perfil agressivo no crescimento da conta, não descurando no entanto a gestão do risco.

Para mitigar o risco de alavancagem elevada de 1:200, iniciei com um saldo de 3000€ na conta, começando a fazer crescrer a mesma a partir daqui.

Para mitigar uma tática de scale in, o saldo na conta tem uma previsão para um drawdown de sete vezes o valor do risco, acrescentado 10% como folga financeira.

Quando é Preciso Parar na Bolsa

É com entusiasmo que início cada nova semana de trading. Portanto, quando tenho de interromper algum dia, seja por férias ou força maior, é um sacrifício pessoal.

Esta semana é um dos casos, em que no final da semana vejo-me obrigado a parar dois dias e a ausentar-me dos mercados.

Trata-se de uma época feliz na minha carreira enquanto trader, em que dei um grande salto na rentabilidade financeira.

Com a bolsa não existem certezas. e o que o mercado dá também pode retirar de igual forma. Devo ver estes dois dias como umas miniférias enquanto retempero as forças para mais uma semana de trading.

A Armadilha das Emoções no Trading

Muito se fala sobre as emoções na bolsa, como a ganância e o medo, e a sua influencia sobre as decisões de trading.

Nunca dei muita importância a este assunto, até porque sempre pensei que a maturidade psicológica do trader iria evoluindo na medida em que a experiência com os mercados se desenvolve e aprofunda.

Não existe técnica nem o melhor psicológico ou treinador do mundo que possa ajudar um trader iniciado ou com pouca experiência a ser lucrativo.

Por outro lado, um trader com experiência ou mais avançado pode beneficiar de algumas ferramentas de apoio à melhoria de performance.

Levantar Dinheiro da Corretora: Quando e Quanto?

Quando o trader obtém os primeiros lucros na bolsa, é tempo de começar a pensar quando e quanto deverá levantar dinheiro da sua conta de trading.

É uma espécie de recolha de dividendos pessoal à semelhança do que acontece com a distribuição de lucros nas empresas.

Quando levantar?

Nos extremos tem-se nunca levantar dinheiro ou levantar todo o dinheiro.

Talvez o maior risco do trader nunca levantar o dinheiro ou levantar com pouca frequência é a corretora ir à falência ou ter problemas financeiros, e o trader ficar sem acesso ao dinheiro.

Quanto levantar?

À semelhança da resposta anterior, nos extremos tem-se não levantar nenhum dinheiro ou levantar todo o dinheiro.

O mais provável é a resposta a estas duas perguntas ficar pelo meio e entre os extremos, devendo cada trader encontrar um equilíbrio em função dos seus objetivos pessoais.

Exemplo pessoal

Pretendo capitalizar os rendimentos da conta de trading e usufruir de uma parte dos mesmos (além da proteção contra o risco de problemas financeiros da corretora que possam ocorrer).

Atendendo a este objetivo, decidi levantar 30% dos lucros de três em três meses (trimestralmente).

Deste modo, a conta de trading tem algum tempo mas não excessivo para capitalizar (de três em três meses) ao mesmo tempo que retém para capitalização uma parte considerável dos lucros (70%).