Os 3 Pilares do Price Action

1. Barras/candles

O primeiro pilar do price action é saber o que significa cada barra ou candle num determinado contexto. Isto quer dizer, que para além de ser necessário conhecer os diferentes tipos de barras ou padrões de barras, como a barra de reversão ou barra interna, é também necessário identificar os vários aspetos que reforçam ou enfraquecem um sinal de trade, como por exemplo:

  • Duas barras opostas cima/baixo ou baixo/cima são um padrão de reversão se não estiverem a meio de uma lateralidade.
  • Uma barra interna precisa de ter um fecho forte para se considerar uma barra de reversão, mas no caso de um rompimento falhado de uma lateralidade anterior no final de uma tendência por ser aceitável a barra interna ter uma sombra.
  • Uma barra doji funciona frequentemente em trades a favor da tendência, mas costuma falhar em trades de contra tendência.
  • Barras muito grandes formam geralmente lateralidades, ou significam exaustão se aparecerem no final de uma tendência.

Ler mais:
Existem Dois Tipos de Barras/Candles
Padrões de Candles (Barras) – Guia Prático

2. Sequências de barras

O segundo pilar do price action são as sequências de barras, que é um conjunto de várias barras consecutivas.

As sequências de barras podem formar alguns dos padrões seguintes:

  • Duas pernas de retração, ou um swing.
  • Três impulsos que testam uma linha de canal (linha paralela ou oblíqua a uma linha de tendência).
  • Rompimento falhado de linha de tendência.

Adicionalmente, deverá esperar certos padrões baseados na barra atual, como por exemplo:

  • Uma barra grande poderá ser o início de um padrão de Impulso e canal ou o início de uma lateralidade.
  • Uma retração seguida de uma barra doji poderá se tornar num padrão de arame farpado.
  • O final de uma tendência forte com várias barras pequenas tipo doji, poderá indicar uma lateralidade estreita.

3. Estrutura de mercado

O terceiro e ultimo pilar do price action é a estrutura de mercado. A estrutura de mercado é o filtro e guia geral assegurando-se que não se operam trades na direção errada.

Deverá ser capaz de determinar se o mercado se encontra em tendência, a reverter de tendência, em lateralidade, a romper de lateralidade para tendência, etc.

Ao conhecer a estrutura de mercado, é possível saber quais os trades mais aptos a posições swing (com uma recompensa mínima de 2x o valor do risco) e quais os trades mais aptos a posições scalp (com uma recompensa de 1-1,5x o valor do risco).

Neste pilar, deverá ainda escolher o setup de trade mais apropriado para cada tipo de condição de mercado:

  • Tendência de alta regular em que deverá comprar a M2 ou fm2?
  • Tendência de baixa forte em que deverá vender a m1?
  • Tendência a partir da abertura capaz de durar toda a sessão com setups da direção da tendência?
  • Mercado sem direção definida que engana ambos os touros e ursos, e em que mais vale a pena ficar fora do mercado?

Ler mais:
Os Fundamentos da Estrutura de Mercado

Obervações

Mesmo conhecendo bem a estrutura de mercado (pilar 3), não será capaz de entrar corretamente num setup de trade sem dominar primeiro os pilares anteriores (pilares 1 e 2).

Se muitas vezes compra acima de barras urso, vende abaixo de barras touro, ou usa barras de sinal fracas, então precisa primeiro de conhecer as suas barras (pilar 1).

Se frequentemente tem trades falhados que são parados em stops protetivos, para depois os ver andar na direção da entrada original, então precisa primeiro de conhecer o significado das sequências de barras (pilar 2).

Deixe um comentário

Confissões de um Day Trader

Subscreva a newsletter e acompanhe de perto os pensamentos e desafios de um day trader profissional.